Bulário Brasil

Monozol - Bula

Bula do Fármaco prescrito para tratamento de verminoses, como Ancilostomíase, Ascaridíase, Enterobíase. O nome oficial é carbamato de metil N-. É tratamento de primeira escolha nos casos de ancilostomíase por Ancylostoma duodenale e Necator americanus

Princípio ativo: albendazol

Apresentação: Caixa com 1 e 3 comprimidos de 400 mg e suspensão oral em frasco contendo 5, 10 e 15 ml.

Indicação: Tratamento das infestações isoladas ou mistas, causadas por Ascaris lumbricoides, Trichiuris trichiura, Enterobius vermicularis, Necator americanus, Ancylostoma duodenale, Taenia sp e Strongyloides stercoralis.

Efeito Colateral:

Casos de desconforto gastrintestinal e cefaleia foram reportados sem, contudo, ser possível correlacionar ao uso da droga. - Interações Medicamentosas: o uso concomitante da cimetidina pode inibir o metabolismo de alguns derivados benzimidazlicos, resultando no aumento da concentração plasmática do medicamento especialmente em uso prolongado.

Modo de Usar:

Adultos e crianças acima de 2 anos: a dose usual é de 400 mg (1 comprimido ou 5 ml da suspensão oral) em dose única, tanto em adultos como em crianças. Os comprimidos podem ser mastigados, triturados e misturados a alimentos. A suspensão pode ser administrada diretamente ou misturada a líquidos. Nos casos de infestação confirmada ou suspeita de Strongyloides stercoralis e Taenia sp, a dose deve ser repetida por 3 dias consecutivos. Nos casos de infestação por Enterobius vermiculares, a dose usual em crianças acima de 2 anos é de 100 mg (1/4 comprimido) em dose única. Se o paciente não se curou após 3 semanas, um segundo tratamento é indicado. Não há necessidade de dietas especiais ou uso de purgantes. Superdosagem: não foram observadas reações de gravidade após a dosagem excessiva aguda. Medidas de suporte como lavagem gástrica ou indução ao vômito, recomendada.

Contra indicação:

O albendazol É contra indicado em pacientes com antecedentes de hipersensibilidade droga e a outros derivados benzimidazlicos. Como os demais derivados benzimidazlicos, o albendazol teratogúnico e embriotóxico nos animais em Laboratório. Por essa razo não deve ser usado durante a gravidez ou em mulheres com possibilidade de engravidar. Deve-se assegurar, antes da utilização do produto, de que não há processo de gravidez. Para mulheres em idade fértil (15 a 40 anos), recomenda-se a administração do albendazol no período de 7 dias após o início da menstruação.

Precauções:

A segurança do uso do albendazol em crianças abaixo de 2 anos de idade ainda não foi estabelecida. Não se sabe se o albendazol excretado no leite materno. Portanto, seu uso desaconselhável em mulheres que estejam amamentando.

Fórmula:

Cada comprimido contêm 400 mg de albendazol. Excipiente q.s.p. 1 comprimido. Cada 5 ml da suspensão oral contêm 400 mg de albendazol.

Fabricante:

EMS Indústria Farmacêutica Ltda.

Rua Comendador Carlo Mario Gardano, 450 - CEP: 09720-470 - S. Bernardo do Campo/SP

Telefone: (19) 3887.9800 SAC: 0800.191914 / 0800.191222

Azimax, Benotrin, Cobaglobal, Dibendril, Dorical, Dorsedin, Emistin, Emsgrip, Energil_c, Micoter, Monozol, Noriderm, Norizal, Pomaderme, Quinoform, Ranitil, Sinvatrox, Sominex, Vitonico, Voltaflex

Advertências:

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvida, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos Efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos:

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contêm restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma:

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.